Tenho observado um crescimento muito grande no número de investidores interessados em investimentos no exterior, principalmente em ações dos Estados unidos. Os brasileiros, de modo geral, acabam alocando a maior parte do seu patrimônio dentro do Brasil, o que pode limitar as suas oportunidades de investimento e mesmo proteção. É certo que o local onde você investe pode ser tão importante quanto no que se investe. Neste contexto, o mercado de ações americano torna-se objeto de estudo imediato para aqueles que desejam investir no exterior.

Basicamente, há três formas de se investir em empresas no exterior. A mais simples delas é procurar alguns fundos de investimento que compram ações de companhias internacionais. Algumas empresas americanas, como Apple e Google possuem BDRs (Brazilian Depositary Receipts) negociadas na BMF&Bovespa. Entretanto, apenas os chamados “investidores institucionais” – fundos de investimento, instituições financeiras, administradores de carteira, por exemplo – podem comprar esses títulos. Assim sendo, uma opção é procurar as instituições que possuam fundos de BDR’s. A grande vantagem neste caso é que você não precisa abrir conta no exterior nem enviar dinheiro para fora do país, além de ter um gestor profissional selecionando os papéis mais atrativos para o fundo naquele momento. A desvantagem é que você não terá tanta autonomia para tomar decisões de compra e venda dos papéis.

Outra forma de se comprar ações de empresas americanas é abrir uma conta em uma corretora de valores nos EUA, sendo que a grande maioria delas oferece a plataforma de negociações via internet e você pode operar por conta própria. Aberta a conta, você deve fazer uma remessa de dinheiro através de um banco autorizado e também se submeter às regras tributárias brasileiras, declarando à Receita Federal os seus investimentos e recolhendo os impostos sobre ganhos de capital.

Por fim, há a modalidade de investimento no exterior via ETF. Um ETF (ou Exchange Traded Fund) é um fundo de investimento negociado em bolsa de valores. Ou seja, você pode comprar cotas destes fundos como se fossem ações, tal qual o caso dos fundos imobiliários. Por conta dessa característica, eles são ferramentas de fácil acesso ao investidor. Basta ter um computador conectado à internet, uma conta numa corretora e dinheiro nessa conta para realizar o investimento. Ainda, são ferramentas que conseguem proporcionar uma grande diversificação de ativos a um custo muito pequeno. Isso porque eles permitem o acesso à uma carteira super diversificada de ativos por um preço muito reduzido.

Corretora de Valores nos EUA

O primeiro passo para se escolher uma corretora no EUA e saber se permite que Brasileiro não residentes nos Estados Unidos podem abrir conta, não são muitas que oferecem essa possibilidade, mas as principais geralmente abrem essa oportunidade.

Outro fato que deve ser analisado é o custo por operação, existem diferenças grandes de preços de uma correta para outra, fique atento com isso porque 1 dolar de diferença é o dobro ou mais em real (depende da cotação do dolar pra nós) mas de modo geral o custo de corretagem deles é bem menor do que aqui no Brasil, em resumo você não irá se assustar muito com isso.

Uma corretora indicada pelo colega Viver de Dividendos é a DriveWealth que para ele foi a melhor que atendeu até o momento. São muitas opções pra você mandar dinheiro pra sua conta, as principais são:

  • Transferência bancária: não cobra taxa e é a forma mais rápida, porém fique alerta pois os bancos emitentes costumam cobrar uma taxa bem salgada e um dólar também, aqui no blog temos uma tabela para você ver o melhor banco para mandar dinheiro pra fora.
  • Cartão: mais comoda e fácil, porém cobra-se na ponta da DriveWealth de 2,19% a 3,94% além de que na ponta do seu cartão vai lhe cobrar um dólar turismo e um spread violento, pra não falar do assalto do IOF.
  • PayPal: muito semelhante ao cartão, porém pode ser interessante para aqueles que já possuem credito no paypal.
  • Bitcoin: sem sombras de dúvidas e disparado a melhor e mais barata opção. Esse é o meio que utilizo pra fazer as remessas para DriveWealth, em breve vou postar alguns artigos sobre o assunto. Tanto que na imagem abaixo até dei um destaque maior no menino. Você transfere com um spread infinitamente menor não paga taxa nenhuma de transferencia na DriveWealth e a taxa de transferencia da sua wallet de bitcoin é rídicula. Enfim melhor custo x beneficio disparado.

Agora digamos que você vendeu algumas ações que havia comprado e agora quer enviar essa grana de volta pro Brasil pra sua conta pessoal, o processo é muito simples mas na primeira vez acaba dando um pouco de trabalho porque muitos não tem as informações necessárias para que a DriveWealth realize a transferência.

  • Só é possível fazer saque para conta de mesma titularidade da conta cadastrada na DriveWealth
  • Não é possível fazer saque em bitcoins apenas em dinheiro. Isso não é uma limitação da DriveWealth mas parece que é da SEC então eles não podem fazer muito quanto a isso.
  • A DriveWealth cobra $35 dólares para o resgate, apesar de parecer caro é uma das menores taxas do mercado. As corretoras cobram caro até mesmo para os americanos que fazem transferência local. No entanto, se fizer essa solicitação errada e a transferência retornar é cobrado +$25 dólares, então preste bastante atenção.
  • Ele aceita saques via PayPal mas apenas se você tiver feito o deposito via PayPal e leva 30 dias para liberar o seu dinheiro, ou algo do tipo, esse método eu nunca testei então não da pra ajudar muito, se alguém tiver feito saque por aqui por favor compartilhe para enriquecer que colocarei aqui nesse artigo os devidos credito se você desejar.
melhores acoes americanas
Melhores

Melhores Ações Americanas

Todo investidor iniciante que começa a dar os primeiros passos no mercado financeiro tem um questionamento recorrente na mente: “quais são as as melhores ações para investir”? Esta é a pergunta de 1 milhão de dólares. Geralmente o investidor começa comprando ações na bolsa de valores brasileira, mas depois de alguns anos investindo no Brasil, entende que não basta diversificar os investimentos

Read more